terça-feira, 11 de dezembro de 2007

DO MOTIVO DE ESCREVER

Quando contei aos meus amigos que estava pensando em escrever um blog, mas como uma crônica, falando sobre diversos assuntos, muitos me perguntaram: “Mas pra que?” Ora, é simples: Sou viciado em escrever! Escrevo menos do que gostaria, e sempre tenho a impressão de que poderia ter expressado melhor o que queria dizer, mas acredito que com a prática posso melhorar.

Mas o fato é que não é que eu goste de escrever, eu preciso escrever! Um papel e uma caneta operam milagres, curam dores, consolidam sonhos, levam e trazem a esperança perdida. Escrever é expressar-se, assim como dançar, pintar ou conversar. Espelha uma necessidade de contar o que sabe-se, o que sente-se, e, por isso, é também um exercício de auto-conhecimento, uma visita à sensibilidade.

Vício é uma palavra feia. Vou trocá-la por necessidade, soa melhor. Escrever é uma necessidade, uma maneira de compartilhar minha visão do mundo. Mesmo que às vezes limitada e inocente.
Escrevendo me reencontro e me reinvento.